CONTOS DE TERROR

Realidade Mortal

As 7 Badaladas daquele sino de bronze anunciavam a sentença de morte na fazenda.

CONTOS DE TERROR

Realidade Mortal

As 7 Badaladas daquele sino de bronze anunciavam a sentença de morte na fazenda.

01

Caroline compra um par de óculos de realidade virtual em uma feira de artigos populares. Era uma boa oportunidade, os óculos vinham acompanhados de um cartão de memória compatível com o celular de Caroline.

Ela encaixa o cartão de memória e verifica rapidamente que o cartão funciona. Caroline também repara que há um arquivo dentro do cartão. Ela faz o pagamento e corre para casa para testar o equipamento com algum vídeo interessante que, certamente, encontrará no Youtube.

Quando chega em casa, certifica-se de que está sozinha. Não gostaria que ninguém a visse interagindo com aqueles óculos esquisitos. Caroline senta-se no sofá e resolve abrir o arquivo que sabia existir no cartão de memória. Ela encaixa o cartão e liga o celular. Surpresa, percebe que o filme no cartão de memória tem um título um pouco estranho: “Dark Desert Corridor – Experience3D”. Caroline encaixa o celular nos óculos de realidade virtual e, para dar um ar de mais real, coloca seus potentes fones de ouvido. Isso, dentro de um ambiente em que está sozinha, deixará a experiência ainda mais emocionante.

A garota dá play no vídeo e coloca os óculos. O começo do vídeo é escuro e com sons estranhos. De repente, sons de respiração ofegante, o vídeo segue e a garota mexe a cabeça verificando se existem outros elementos. Caroline vê então uma imagem ainda muito escura que demonstra alguns movimentos que não podem ser identificados. Um som misterioso começa ao fundo como um background para filmes de mistério.

Algum tempo de tela preta com música de mistério e Caroline começa a ficar altamente concentrada no ritmo monótono da música e do filme. Ela acaba se esquecendo do que ocorre ao seu redor. Então, a imagem escura inicia o clareamento gradual e começa a desvendar o misterioso conteúdo que parecia se mover.

De repente, a música se altera com uma subida de tom dramática e então um corredor se mostra à sua frente. A qualidade da imagem faz com que pareça real aquele corredor. A Música ajuda a compor aquele ambiente misterioso. Logo ela imagina que está fazendo o tour pelo corredor como se estivesse flutuando. Não sente seus pés tocarem o chão, enquanto a imagem mostra um fundo preto com as paredes iluminadas em volta como se fosse a luz de uma tocha.

Quanto mais a imagem vai para dentro do que parece um corredor infinito, mais a música entra na mente de Caroline e ela sente que está conectada cada vez mais ao corredor sujo e escuro. A imagem, através dos óculos, parece ser tão real que a garota começa a sentir falta de ar e claustrofobia. A imagem aparece de forma mais acelerada e Caroline encosta-se no sofá com a respiração apressada.

A imagem aumenta sua velocidade ainda mais e o movimento acaba por distorcer a mudança sutil que as paredes sofreram. Quando Caroline sente a falta de ar tomando conta de seu corpo, percebe que está apertando-se contra o sofá na tentativa de frear o movimento para dentro do corredor. Neste momento de angústia, a música novamente atinge um tom mais macabro e o movimento diminui repentinamente de velocidade. Essas oscilações são sempre acompanhadas de mudanças no som de fundo que parece um filme preparado para amedrontar.

Caroline percebe que as paredes agora são formadas por milhões de caveiras. Quem quer que tenha feito aquele vídeo, queria mesmo assustar. Quando viu os ossos sobre os quais flutuava, seu corpo se arrepiou inteiro. Era movida, a esta altura, apenas por sua vontade de sair daquele corredor. Ao mesmo tempo que desejava parar de assistir, sentia suas mãos coladas ao corpo sem conseguir o simples movimento de tirar os óculos de realidade virtual.

A música muda repentinamente para um som estranho de gotas caindo em uma poça de água, enquanto a viagem se mantinha em velocidade lenta para dentro do corredor de caveiras. Quanto mais adentrava o corredor mais alto ficava o som das gotas caindo. De repente, Caroline escuta um barulho forte de respiração, o mesmo que ouvira no início do vídeo. Ela põe suas mãos sobre o peito e aperta seu coração num gesto de angústia.

Aquele coração disparado parece que vai saltar do peito cada vez que a respiração dentro da caverna fica mais alta e assustadora. Caroline está tão tensa que não sabe se a respiração é sua ou de alguém dentro do corredor. Junto com o barulho da respiração, os pingos na poça fazem um som cada vez mais alto, acompanhados das batidas desesperadas do coração de Caroline. A angústia toma conta da garota que não consegue parar de ver o vídeo, como se estivesse vivendo aquela realidade mostrada nos óculos.

Uma leve curva à direita dentro do corredor e Caroline dá um salto para trás com o susto que levou. Ela vê uma pessoa de costas, ajoelhada sobre uma poça de sangue. Quando se aproxima, Caroline percebe que o barulho de gotas caindo é o sangue daquela pessoa, escorrendo para dentro da poça formada embaixo dela.

Caroline segura o grito para não fazer barulho, porém não consegue controlar o ruído de seus passos dentro do corredor, como se ela agora, em vez de flutuar, estivesse caminhando sobre aquela trilha de ossos. Quando ouve o barulho dos ossos quebrando, a criatura olha para trás em um movimento muito rápido e ágil. Caroline se assusta e quase desmaia quando vê que é uma pessoa cujo corpo exibe sangue e músculos. Não há pele sobre a criatura, ou pessoa, Caroline não consegue entender bem o que é. Apenas tenta correr, mas não consegue gritar. Aquela criatura que parecia real, começa a correr atrás de Caroline que não consegue se distanciar.

02

Quando a criatura ameaça pular, Caroline faz um gesto tentando se proteger no sofá. Neste momento, ela vê seus braços tentando protegê-la dentro do filme. Caroline não consegue entender nem dizer o que é real ou realidade virtual. Ela tenta arrancar os óculos, porém é impedida pela criatura que agora está grudada em suas costas. Caroline sente o sangue corrente da criatura em seu corpo e percebe que os braços ensanguentados começam a se enrolar em seu pescoço, enquanto a língua gigante da criatura passa por seu rosto.

Caroline tenta gritar e o som não sai. Um rápido movimento para se livrar daqueles braços e um esforço gigantesco, faz com que ela dispare numa corrida desesperada pelo corredor. Estaria ela vivendo realmente a situação dentro do vídeo? Enquanto Caroline corre, ainda sem entender bem o que estava acontecendo, percebe que o som das gotas pingando e da respiração vão ficando mais distantes, o que alivia sua tensão. Caroline relaxa no sofá.

A imagem segue em movimento e Caroline escuta um barulho. Percebe clarões dentro do corredor que iluminam ainda mais as caveiras. Quando a luz fica mais forte, Caroline consegue ver ratos passeando pelas cavidades oculares e bocas escancaradas daqueles esqueletos desmontados, espalhados pelo chão e paredes.

A Viagem por dentro do corredor parece estar chegando ao fim, quando Caroline começa a sentir um calor no rosto que não conhece a origem. Ela passa sua mão sobre os óculos e percebe que eles estão frios, como era de se esperar.

Quanto mais se aproxima da origem daquele som e daqueles clarões, Caroline sente o calor ficar cada vez mais intenso, como se estivesse se aproximando de uma fogueira. A velocidade do vídeo aumenta e ela se vê em frente a uma criatura. Pela silhueta, parecia um homem grande e alto, que exibia facas grandes e afiadas, cobertas de um sangue fresco e brilhante, além de uma chama constante que ele segura.

O cheiro forte de carne queimada começa a invadir o nariz de Caroline enquanto o calor se faz ainda mais intenso. Ela tenta se afastar em silêncio, quando uma mão quente e ensanguentada pousa sobre seu ombro direito. Ao que Caroline sente o calor daquela mão solta um grito de horror, chamando imediatamente a atenção daquele homem no corredor. O homem se vira para Caroline, aponta um maçarico e abre a vazão do gás incendiando o corpo da garota e cegando-a imediatamente.

A dor que Caroline sente é insuportável. Ela grita e se debate sem conseguir enxergar até que, finalmente, arranca os óculos de sua cabeça. Quando ela percebe que está livre dos óculos, sente que a dor permanece intensa e ardente. Ela não consegue ver nada, a dor e ardência em seus olhos é insuportável. Ela grita de desespero e percebe que uma imagem começa a surgir em sua cabeça em meio a tanta dor. A imagem que aparece é de seu corpo em chamas, se contorcendo no chão do corredor.

A criatura ensanguentada começa a se alimentar do corpo de Caroline enquanto o homem troca o maçarico pelas facas que servirão para cortar o corpo da garota. A cada pedaço que é arrancado de seu corpo, Caroline sente que suas energias vão embora. Sua alma agora é espectadora de sua própria agonia, naquela realidade mortal.

Fim

Esta é uma Obra de Ficção qualquer semelhança de nomes, acontecimentos e lugares etc é mera coincidência. O Conteúdo Deste Post Pertence ao Autor e é Protegido pela Lei de Direitos Autorais.