Conheça a Assustadora História da Escola Dozier. Que Guarda Segredos Sombrios e Corpos Enterrados.
Imagem A&E

Conheça a Assustadora História da Escola Dozier. Que Guarda Segredos Sombrios e Corpos Enterrados.

Fechada em 2011, a escola reformatório Dozier, na Flórida, tem passado assustador. A escola que funcionou por mais de 100 anos, carrega consigo um passado de abusos. Um longo e bem documentado histórico que teve novas revelações apavorantes.

O que Era a Escola Dozier?

Conheça a Assustadora História da Escola Dozier. Que Guarda Segredos Sombrios e Corpos Enterrados.
Imagem A&E

A Florida School for Boys, também conhecida como Escola Dozier (em homenagem a Arthur G. Dozier, ex-superintendente) foi construída em Marianna, Florida e administrada pelo Estado. Funcionou de 1900 até 2011. Era um reformatório para meninos em uma área de 1400 acres.

No início das atividades, não havia cercas de contenção. E a Escola Dozier era dividida em dois campus distintos. Um para meninos brancos e outro para meninos negros. Ao longo dos anos, a estrutura foi sendo modificada. E os internos passaram a conviver sem distinção.

Durante seu funcionamento, a escola Dozier foi alvo de muitas críticas e acusações. Seu histórico de abusos e ameaças aos internos era conhecido e relatado durante décadas. Na teoria a Escola Dozier era um reformatório. Na prática tornou-se um lugar de tortura e sofrimento.

Violência era Rotina na Escola Para Meninos da Flórida

Há muitos relatos de agressões e torturas físicas e psicológicas, relatadas pelos internos. Segundo eles, apanhar era rotina, e apanhavam feito animais. Havia sangue nas paredes dos cômodos onde eram levados. Tudo parecia um grande filme de terror mas, desta vez, era realidade.

Apesar da rotina intensa de violência, a escola mantinha seus jardins maravilhosamente bem cuidados. Uma grande contradição com o interior brutal da instituição.

Um artigo de Jornal Mudou a História das Vítimas

Um artigo de jornal, escrito por Ben Montgomery renovou as esperanças dos familiares. Uma investigadora Forense leu o artigo e se dispôs a ajudar. O ano de 2010 seria decisivo para que o passado da Escola Dozier viesse à tona.

O artigo tratava de uma série de relatos de abusos. O jornalista entrevistou diversas vítimas, em torno de 150 internos. Segundo Ben, os realtos eram de violência, humilhação e também de ameaças. Os internos eram coagidos a não contar nada para não sofrerem consequências.

A cada dez anos tinha mais um escândalo. Toda vez que alguém aparecia por lá, um jornalista, um investigador, encontrava mais provas de abusos…Isso era publicado em todos os jornais e eles reabriam outra investigação.

Ben Montgomery

Os cidadãos ficavam indignados com as notícias e exigiam o fim dos castigos aplicados na Escola Dozier.

O artigo de Ben fez explodir a fama da escola. Especialmente com a descoberta de que o destino de alguns garotos poderia ter sido uma das covas não identificadas em um “cemitério”, no terreno da escola.

Novas Descobertas na Escola Dozier

Um lugar com um passado sombrio, sem terá algo a revelar. Com a Escola Dozier não foi diferente. Novas revelações foram feitas na área dos prédios. Para saber que tipo de maldades mais poderiam ter sido cometidas no local.

A Dra. Erin Kemmerle, antropóloga forense da Universiade da Flórida, aceitou uma missão difícil. Encontrar os túmulos e tentar identificar as vítimas. Além disso, tentar descobrir o que realmente aconteceu com dezendas de crianças mortas na Escola Dozier. Toda mortas em circunstâncias misteriosas e não esclarecidas.

Há segredos enterrados com essas crianças que estão lá há decadas. E é hora de descobrir isso.

Erin Kimmerle, Antropóloga Forense

Mortes ou Assassinatos na Escola Dozier?

As famílias buscam respostas com os profissionais forenses. Que estão em uma caçada pelos restos mortais das vítimas. Na tentativa de elucidar os fatos. Com a solução das mortes e descoberta dos restos mortais, os familiares poderão enterrar seus entes queridos e homenageá-los.

As famílias estão pedindo ajuda e querem respostas. por isso me senti na obrigação de me envolver.

Erin Kimmerle, Antropóloga Forense

Fonte: Canal A&E Brasil

Author

Fatos Desconhecidos, Lendas Urbanas, Sobrenatural, Mistérios, Histórias Reais e Ovnis. Nossas Postagens são mero entretenimento.

Write A Comment